Blog

Home » galvanoplastia » Galvanoplastia: o que é e para que serve?
08 de março, 2022
Galvanoplastia: o que é e para que serve?

Com certeza você já ouviu falar em peças banhadas a ouro, certo? Esse banho que elas recebem é nada mais do que um processo de galvanoplastia e não se limita apenas a joias e semi-joias. Muitos objetos do nosso cotidiano passam pelo processo de galvanoplastia, como utensílios domésticos, artigos de informática, telefonia, além de também ser utilizada em processos industriais, como em itens pertencentes à indústria metalúrgica e da construção civil.

A galvanoplastia, ou galvanização, é um processo químico ou eletroquímico em que uma fina camada de metal é empregada sobre a superfície de um objeto, metálico ou não. Este procedimento é realizado normalmente através de eletrólise em meio aquoso (existem banhos químicos e também galvanização à fogo). Deste modo, a peça fica totalmente revestida pelo metal. A galvanoplastia impede o contato do metal da peça com o ar e a umidade. Esta técnica visa conferir a estas peças diversas propriedades como adquirir resistência a corrosão, adquirir proteção contra a oxidação, apresentar maior durabilidade, aumentar a resistência da peça, aumentar a espessura da peça, aumentar a condutividade elétrica ou térmica, fazer com que a peça possa passar por um processo de soldagem com maior resistência ou melhorar a estética da peça.

Existem alguns tipos de galvanização dependendo do metal empregado no processo como a cromagem, zincagem, estanhagem e cadmeação, que utilizam o cromo, zinco estanho e cádmio como metais de recobrimento, respectivamente. Esses tipos são mais utilizados na indústria metalúrgica e da construção civil. Também existem os processos de douração, prateação e niquelagem, os quais utilizam o ouro, a prata e o níquel como metais de recobrimento, respectivamente. Esses últimos tipos são muito utilizados na joalheria e em utensílios domésticos.

Figura 1. Peças no processo de desengraxe químico, uma das etapas da galvanoplastia.

O processo de galvanoplastia pode ser separado basicamente em 3 etapas: o pré-tratamento, o tratamento e o pós-tratamento. O pré-tratamento consiste em preparar a peça para receber o banho da melhor maneira possível, preparando a superfície dela para retirar qualquer obstáculo que dificulte a deposição do banho nela. Para esse fim, são utilizadas normalmente graxas ou gordura. Também fazem parte do pré-tratamento os pré banhos, normalmente cobre alcalino para adesão, cobre ácido para brilho e algum tipo de “níquel free” para blindagem da camada antes da deposição de metais preciosos. O tratamento se dá pelo banho do metal propriamente dito, ouro, prata, zinco, ródio etc. E, por fim, o pós-tratamento consiste na lavagem  e secagem da peça que acabou de receber o banho para que a peça não fique com manchas, além de também poder ser aplicado algum verniz, o qual aumenta a durabilidade da camada metálica depositada e costuma ter um baixo custo quando comparado ao metal.

A galvanoplastia é um processo amplamente utilizado. No entanto, a sua realização requer muita atenção durante o procedimento e no descarte dos resíduos. Vale destacar que esta técnica requer o emprego de metais pesados.

A água é a matéria-prima principal para a galvanoplastia. Ela serve como base para variados compostos químicos e também para limpeza. Ao final do processo, a água está repleta de substâncias como cádmio, zinco, níquel, ferro, sulfatos e cianetos. Estes metais pesados são muito tóxicos e representam um enorme perigo para o meio ambiente e a saúde humana. Por isso, essa água nunca deve ser lançada diretamente no esgoto, rios, afluentes e outros locais, devendo passar pelo tratamento apropriado.

Os resíduos com metais pesados da galvanoplastia podem contaminar corpos d’água, ar, lençóis freáticos e animais que vivem no meio aquático, como peixes. Estas substâncias são bioacumulativas, isto é, se acumulam no organismo de um modo contínuo. A intoxicação humana pode ocorrer através da ingestão de água ou peixes e aves contaminadas. Por isso, caso a empresa não tenha condições de tratar o efluente de forma correta, é necessário procurar uma empresa especializada para o tratamento desses resíduos.

 

Siga-nos no Instagram (@8_metais) e curta nossa página no Facebook (8metais) para mais conteúdos como esse!

Comentários